CONTATE-NOS PELO WHATSAPP: 99512-9504

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Harry Potter: O legado (ou: Seis coisas para aprender com a saga)

Por Nilson falcão


Primeiro uma confissão: só em 2007 é que eu fui assistir a um filme inteiro do Harry Potter. O motivo: durante uma visita que fiz ao meu filho, ele disse que faria uma magia igual ao bruxinho de Hogwarts. Sempre fico curioso (e atento) para os gostos do Allan e fui atrás dos DVD’s. A saga já estava no seu quinto filme _ Harry Potter e a Ordem da Fênix _ e só então comecei a adentrar numa das mais ricas e imaginativas mitologias já criadas. Mas atenção: para escrever este texto eu me norteio pelos filmes e deixo claro que a idéia não é tecer nenhuma crítica à obra, mas buscar os aspectos que fazem da CRIAÇÃO Harry Potter uma obra diferenciada. Também não vou fazer comparações bobas com Guerra nas Estrelas ou com O Senhor dos Anéis, pois, Harry Potter visa, a princípio, o público infanto-juvenil e atinge por reverberação o público adulto, o que não acontece com as outras sagas.

Além da mitologia altamente criativa e original, vi logo nos primeiros filmes detalhes que me fizeram ter um olhar diferenciado para o universo mágico criado por J. K. Rowling: há um excelente conteúdo de valores éticos e morais. Ou seja, não é a aventura pela aventura. E não vou nem falar das questões que mexem com religião que, diga-se de passagem, dependo do enfoque dado, pode direcionar a obra para o ocultismo, paganismo, cristianismo ou até para o agnosticismo _  já repararam que não há Deus no universo de Harry e cia?


Outro fato interessante na saga cinematográfica é a sua duração; são 10 anos, ou seja, é toda uma infância e quem começou a ver na adolescência já está adulto. E é essa extensa duração que admite uma longa influência por um longo período de crianças e adolescentes em formação, levando-se em conta que a obra tem uma grande abrangência e adesão. Vem, então, a inevitável pergunta: o que a série trouxe de aprendizado para quem viu e deixou como legado para futuras gerações? Entre tantas possíveis abordagens, tenho a minha lista de valores que acredito foram transmitidos ao longo da série:

1)    O valor da família
Durante toda a saga, Harry manteve uma ligação com os pais, mesmo tendo que conviver com a ausência destes, assassinados por Voldemort. Em vários momentos e situações esta valorização e apego vai lhe ajudar a superar, não só a dura ausência, mas também alguns percalços devido à sua condição predestinada.

2)    Coragem e perseverança
Desde o seu primeiro ano na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, o pequeno Potter tem sua coragem colocada à prova para enfrentar desafios cada vez maiores. Com a ajuda dos amigos que fez na escola, Hermione e Rony, Harry demonstra não temer aquilo que tenta agredi-lo e as situações adversas. Seus amigos também são perseverantes e pacientes nos seus objetivos; o principal deles, destruir o Lorde das Trevas _ o que, diga-se de passagem, dura seis anos na vida deles!


3)    O valor dos amigos verdadeiros
O trio de amigos enfrenta adversidades naturais e sobrenaturais e, principalmente, desenvolve um conhecimento mútuo através da convivência, dividindo descobertas e experiências, muitas vezes testando a própria amizade, que mesmo quando parece enfraquecida, ressurge com força maior. Outro aspecto interessante é ver que, de uma profunda amizade, pode nascer o arrebatamento do amor (poético, não?...) como no caso da Hermione e Rony.

4)    A importância do estudo e do conhecimento
Muitas vezes, o que salvou o trio de amigos não foram as suas varinhas mágicas, mas o conhecimento adquirido com o estudo, principalmente da Hermione. O estudo trouxe o conhecimento, e este fez a diferença.


5)    O termômetro moral
Harry Potter e seus amigos buscavam sempre nortear-se pelas rígidas regras de Hogwarts e também por princípios éticos e morais pessoais. No entanto, por diversas vezes, tiveram que infringir uma ou outra norma. O que se percebia era que tais infrações se davam sempre visando a realização de um bem maior que, às vezes, está acima das regras. Independente das normas, fazer o bem sempre foi o termômetro moral.

6)    O perdão e a redenção
No último filme, dois ensinamentos preciosos: o perdão de Harry ao Draco, salvando-o da morte certa, e a redenção do jovem vilão e de seus pais, ao ajudarem Harry a destruir Voldemort. Quem tem a maldade no coração pode se livrar dela sim... e um perdão pode ajudar muito. 


Nenhum comentário: